Finados

Feriado

O Dia de Finados ou Dia do Mortos é comemorado anualmente em 2 de Novembro.

A data é celebrada pela Igreja Católica em muitos países, homenageando os entes queridos que já morreram. Neste dia, o movimento nos cemitérios é intenso, pois muitas pessoas vão deixar flores ou fazer orações nos túmulos de familiares ou amigos.

Em Portugal, o Dia dos Finados também é comemorado em 2 de Novembro, no entanto é chamado de o Dia dos Fiéis Defuntos.

No México, o Dia dos Mortos transformou-se em uma atração turística devido a enorme festa que se faz no dia, substituindo o tom habitual de lamentações que é atribuído à esta data, por animação e alegria. As pessoas saem às ruas com pinturas de caveiras no rosto e em outras partes do corpo, além de decorarem suas casas com esqueletos. A festa é conhecida como "El Día de los Muertos", e é caracterizada por ser bastante diferente da tradicional celebração cristã. 

A religião protestante não reconhece o feriado do Dia dos Finados como uma celebração, pois alegam que a data não está presente na Bíblia, consequentemente eles não têm motivos para comemorar ou homenagear. 

Origem do Dia dos Finados

O Dia dos Finados é comemorado no dia 2 de Novembro pela Igreja Católica desde o século XIII. Desde o século XI, os  papas Silvestre II, João XVIII e Leão IX já obrigavam aos cristãos a dedicarem um dia por ano a rezarem pelos que já faleceram e não era lembrados. 

No entanto, desde o século I os cristão têm o costume de rezar por seus mortos. Neste período, as pessoas iam às catacumbas e túmulos para rezar pelos que morreram sem martírio, com esperança de terem suas almas salvas. 

A partir do século IV, a Igreja já começava a incluir em suas celebrações a "Memória dos Mortos" - um momento de orações dedicadas a todos os que faleceram. 

O Dia dos Finados é celebrado no dia 2 de Novembro porque no dia 1º de Novembro é comemorado o Dia de Todos os Santos - data que celebra todos os morreram em estado de graça, mas que não tiveram a oportunidade de serem canonizados ou que não são lembrados em orações por ninguém.