O ano de 2021 será marcado por 2 eclipses do Sol, um eclipse anular e um eclipse total.

As datas dos eclipses são:

  • 10 de junho: eclipse anular e o ápice do fenômeno ocorrerá às 07h41.
  • 04 de dezembro: eclipse total e o ápice do fenômeno ocorrerá às 4h33.

O último eclipse de 2020, um eclipse solar total, ocorreu em 14 de dezembro.

Levará algum tempo para que as pessoas possam observar um eclipse solar total em território brasileiro, a previsão é de que o fenômeno aconteça apenas em 2045.

O que é um eclipse solar?

Quando a Lua se posiciona entre o Sol e a Terra ocorre um eclipse solar, um fenômeno raro. Com isso, o satélite natural do planeta impede a passagem de luz solar e faz surgir uma sombra na Terra.

Os eclipses solares não são tão comuns quanto os eclipses lunares e duram apenas alguns minutos.

Como acontece o Eclipse Solar?

O eclipse solar acontece sempre na fase da lua nova, quando esta encontra-se entre o Planeta Terra e o Sol.

Por conta desse posicionamento em linha reta de Sol-Lua-Terra, a Lua encobre a luz solar por um curto período, o que gera uma sombra em uma pequena parte do território terrestre.

eclipse solar
Observe esse esquema mostrando como ocorre o eclipse do Sol

Tipos de eclipses solares

Os eclipses solares são classificados em quatro tipos: 

  • Eclipse total
  • Eclipse parcial
  • Eclipse anular
  • Eclipse híbrido

Eclipse Total

O eclipse solar total faz com que o céu fique escuro, pois o Sol, a Lua e a Terra estão alinhados na mesma direção.

Esse tipo de eclipse não pode ser visualizado em sua totalidade de qualquer região. O eclipse total é visto por quem está no centro da sombra criada pela Lua.

eclipse total do Sol
O eclipse total costuma ser o mais aguardado. É quando a luz solar é encoberta totalmente

Eclipse parcial

O eclipse solar parcial é o mais comum. Trata-se de uma faixa escura em apenas uma parte do Sol vista da Terra, por isso bloqueia parcialmente a luz solar.

Eclipse Anular

Nesse, que é chamado de eclipse anular, um halo de luz solar poderá ser observado ao redor da Lua. Isso ocorre porque a Lua está no mais distante ponto da sua órbita, o Apogeu, e, por isso, seu diâmetro apresenta-se menor que o do Sol ao cobri-lo.

eclipse colar anular
O eclipse solar anular é quando se forma um anel luminoso em volta da Lua

Eclipse híbrido

O eclipse híbrido, um tipo raro, está relacionado com a posição do observador, pois o fenômeno pode parecer um eclipse solar total ou eclipse solar anular.

Ao realizar um trajeto é possível ver o Sol totalmente encoberto pela Lua ou um anel brilhante ao seu redor.

Quando serão os próximos eclipses solares?

Entre 2022 e 2030 ocorrerão 20 eclipses solares. Confira as datas a seguir.

  • 30 de abril 2022: Eclipse Parcial
  • 25 de outubro de 2022: Eclipse Parcial
  • 20 de abril de 2023: Eclipse Híbrido
  • 14 de outubro de 2023: Eclipse Anular
  • 02 de abril de 2024: Eclipse Total
  • 02 de outubro de 2024: Eclipse Anular
  • 29 de março de 2025: Eclipse Parcial
  • 21 de setembro de 2025: Eclipse Parcial
  • 17 de fevereiro de 2026: Eclipse Anular
  • 12 de agosto de 2026: Eclipse Total
  • 06 de fevereiro de 2027: Eclipse Anular
  • 02 de agosto de 2027: Eclipse Total
  • 26 de janeiro de 2028: Eclipse Anular
  • 22 de julho de 2028 : Eclipse Total
  • 14 de janeiro de 2029: Eclipse Parcial
  • 12 de junho de 2029: Eclipse Parcial
  • 11 de julho de 2029 : Eclipse Parcial
  • 05 de dezembro de 2029: Eclipse Parcial
  • 01 de junho de 2030: Eclipse Anular
  • 25 de novembro de 2030: Eclipse Total

Eclipse solar e eclipse lunar

Enquanto o eclipse solar ocorre quando há a fase da lua nova, o eclipse lunar ocorre na lua cheia.

O eclipse solar acontece pelo posicionamento da Lua entre o Sol e a Terra. Já o eclipse lunar acontece pela sombra formada pela Terra ao se posicionar entre o Sol e a Lua.

Sobre os eclipses da Lua você sabe mais aqui: Eclipse lunar.

Cuidados ao observar eclipses solares

A observação dos eclipses solares, quando feita, necessita cuidados. Somente é possível fazê-la com equipamentos apropriados.

Há quem diga que não há problemas em olhar para o fenômeno através de chapas de raio-x, negativos de filmes e outros aparatos improvisados. Isso não é seguro.

É importante ter conhecimento de que o momento mais perigoso para os olhos é justamente o período de escuridão total, em que a pupila se dilata e quando recebe novamente grande quantidade de iluminação solar poderá sofrer um impacto e danos irreversíveis na retina.