As festas juninas são comemoradas durante todo o mês (de 1 a 30 de junho). Há quem defenda a ideia de que devem ter início no dia 12 (véspera de Santo Antônio) e terminar no dia 29 (véspera de São Pedro).

Elas também são conhecidas como festas de São João, afinal esse é o mês desse que é o “santo festeiro” da comemoração.

É possível que o nome decorra do mês, enquanto outros defendem que São João é o motivador dessa nomenclatura. Vale lembrar que no princípio a festa era conhecida como Festa Joanina.

Origem

Apesar de hoje estar embasado num forte teor religioso, a origem das festas juninas é pagã. Isso porque era nessa época, o solstício de verão no hemisfério norte, que os povos da Antiguidades promoviam festas para pedir fartura nas colheitas.

Como não conseguia extinguir essa tradição, a igreja introduziu nelas o caráter religioso. Fez isso aproveitando os dias dos santos mais populares que são comemorados no mês de junho: Santo Antônio, São João e São Pedro.

Tudo começa com Santo Antônio, seguindo-se o dia de São João e terminando com São Pedro.

Santo Antônio, popularmente chamado de “santo casamenteiro”, é comemorado no dia 13 de junho, dia da sua morte. Na véspera, dia dos namorados, as moças que querem casar fazem simpatias e orações ao santo.

São João, o “santo festeiro”, é comemorado no dia 24 de junho, dia do seu nascimento. Além de ter batizado Jesus, São João era seu primo.

São Pedro, é comemorado no dia 29 de junho. Também é conhecido como o dia de São Pedro e São Paulo por essa ser a data da morte dos dois santos.

O Brasil tem uma tradição forte em festas juninas. Elas fazem parte do folclore brasileiro e compreendem aspectos de culinária (pipoca, canjica, arroz-doce, vinho-quente e quentão), dança (a quadrilha), brincadeiras (pescaria, saltar a fogueira) e muitas outras tradições, tal como as simpatias.